Se a verdade tem o seu preço em esforço próprio daquele que a investiga, é razoável que cada aprendiz caminhe com os próprios pés, ouça com os ouvidos que lhe pertençam e veja com os olhos que possui (Emmanuel)
A TRAGÉDIA DE SANTA MARIA - TEXTO!
por Rosane B C Molina - Diretora da Área de Ensino - UEIH
 

Esse título nos faz lembrar o nome de um livro. E é mesmo. Magnífica obra de Yvonne A. Pereira publicada pela FEB, que nos proporciona horas de prazer com uma leitura muitíssimo agradável.

No entanto, o título de nosso texto, infelizmente não vem falar sobre o livro citado. São fatos reais que o mundo inteiro acompanhou e que ocorreram em Santa Maria, no Rio Grande do Sul.

Todas as vezes que acontecem tragédias dessa proporção vêm à tona as mesmas perguntas: Por que Deus permitiu que acontecesse isso com tantos jovens?  Quase crianças que tinham uma vida inteira pela frente... Saíram num sábado à noite para se divertirem e nunca mais voltarão para suas casas, suas famílias... Quanto sofrimento, que injustiça...

Diante dessa situação, se não tivermos uma explicação bastante racional para circunstâncias como essa, realmente se torna quase impossível a aceitação.

A Doutrina Espírita, que é o Cristianismo redivivo, através dos livros da Codificação, dos livros que o querido Chico Xavier nos deixou e de tantos outros que são verdadeiras gotas de luz em nossos caminhos nos explica como e porquê situações como essa, de Santa Maria, acontecem em nosso mundo.

Para começar, ainda vivemos num mundo de expiação e provas, o que significa que a maioria da população terrestre ainda permanece distante das Leis de Deus e se deixam levar pelas paixões da matéria.

O Espírito é eterno e carrega consigo, marcado em sua essência, todas as experiências vivenciadas em suas encarnações, sejam elas boas ou más. Essas vivências significam ações realizadas que geram uma força magnética para cada um.

A Lei única do Universo é a Lei da Harmonia, do Equilíbrio, do Amor. Essa Lei rege o Universo, os Mundos, os Espíritos e todas as coisas que existem. Cada ato, cada ação, cada pensamento é de responsabilidade TOTAL de cada ser. Se esses pensamentos e ações forem voltados para o bem o Espírito progride cada vez mais alçando planos mais puros, mais etéreos e mais livres do mal. Contudo se esses pensamentos e ações forem voltados para o mal, automaticamente estão se distanciando das Leis de Deus e consequentemente desarmonizando suas trajetórias reencarnatórias e evolutivas.

Quando o Espírito se encontra na erraticidade, ou seja, desencarnado, no Mundo Espiritual, suas percepções são totalmente diferentes de quando está reencarnado. O Espírito faz uma análise de seus atos, e se dentre eles, em alguma de suas encarnações, ele tirou alguma coisa do lugar, se desarmonizou com as Leis, sua consciência severamente lhe cobrará reparações, pois o Espírito não conseguirá seguir adiante, progredir, se não quitar esses débitos passados.

É importante que fique claro que Deus não pune, não castiga seus filhos. Apenas marca cada um no momento da criação com a Lei do Amor. Então quem cobra, quem pune, é a própria consciência de cada um porque se encontra em desajuste com sua própria essência que é amor.

Sendo assim, em algum momento da trajetória espiritual, esse Espírito solicitará a reparação para se libertar de vez daquelas amarras que o prendiam na culpa, no remorso.

Assim, reencarnam com uma programação definida e passarão pela prova necessária para que a reparação seja feita.

Isso é uma regra? Não!!! Cada caso é um caso. Uma programação reencarnatória pode ser modificada, amenizada, de acordo com as atitudes de cada um.

No caso da Tragédia de Santa Maria podemos observar claramente que se trata de um resgate coletivo, assim como já aconteceram vários.

A mídia mesmo citou o caso do incêndio do Gran Circo em Niterói em 1961, quando desencarnaram 503 vitimas, na sua maioria, crianças. Lindas crianças, puras e felizes...

No livro “Cartas e Crônicas” de Chico Xavier, o Espírito Humberto de Campos (Irmão X) vem nos elucidar com relação a esse episódio.

Estiveram envolvidos nesse caso os mesmos “personagens” que no ano de 177 d. C. queimaram cerca de mil crianças e mulheres cristãs numa arena de um circo na Gália. Para o devido reajuste com a Lei de Causa e Efeito foram convocados naquele inesquecível dia 17 de Dezembro de 1961. A Justiça da Lei Divina, através da reencarnação, reuniu os responsáveis em diversas situações e graus de comprometimento do desatino ocorrido no pretérito, para a dolorosa expiação de seus atos praticados.

Assim podemos entender como que pessoas de diferentes lugares se encontram reunidas num mesmo local e no qual acontece determinada tragédia. Familiares, amigos e parentes foram de alguma forma, cúmplices nos crimes praticados, ou seja, estão diretamente ligados aos fatos passados. Não há injustiça na Lei Divina.

Foi o caso de um rapaz que não tinha nada a ver com a cidade de Santa Maria, não morava, não estudava lá, apenas conheceu uma moça pela internet que o convidou para viajar para lá e irem até a boate Kiss para se conhecerem. Desencarnaram os dois.

Aquela força magnética de que falamos no inicio do nosso texto, atrai os Espíritos afins para o mesmo evento, reunindo-os para o  mesmo reajuste. “Assim que, muitas vezes, renascemos no planeta em grupos compromissados para a redenção múltipla”.

Isso já aconteceu muitas vezes: incêndio do Joelma (também mencionado em um livro de Chico Xavier, “Somos Seis”), tsunami na Ásia, 11 de Setembro de 2001 nos EUA, queda de aviões, incêndio numa boate em Buenos Aires, enfim, são vários e vários casos.

Em livros como “Chico Xavier Pede Licença”, “O Consolador”, “Ação e Reação”, “Obras Póstumas”, “Temas da Vida e da Morte”, entre outros, podemos encontrar vários textos falando sobre Mortes Coletivas. 

Devemos é ter consciência de que a dor desses irmãos é a nossa dor. Somos uma única família universal e quando todos tivermos quitados nossos débitos, pois “Ninguém deixará de quitar até o último ceitil”, poderemos então nos harmonizar com as Leis do Pai, que são de amor pleno. “O amor cobre uma multidão de pecados”. Por isso, tentemos amar muito uns aos outros, valorizar a presença de pessoas queridas e praticar a caridade na sua pureza. “O universo é o lar de uma só família, onde Deus é por todos, e cada criatura por seus irmãos”.

Oremos muito, vibremos muito por todos esses irmãos, os que pereceram, os que ficaram, os que serão punidos pelas leis humanas... Somos todos irmãos e devemos amá-los sem julgar, sem criticar, pois não sabemos do nosso pretérito, das nossas dividas na contabilidade divina.

“A semeadura é livre, mas, a colheita é obrigatória”. “A cada um segundo as suas obras”.

 

Muita paz a todos.

v o l t a r
R. Dr. Eduardo Vaz, 117 - Butantã - São Paulo/SP - F: (11) 3722-0688 - e-mail: irmaohercules@uol.com.br